ESTUDOS DE INTRODUÇÃO DE ESPÉCIES EXOTICAS

 

O monitoramento da ocorrência de espécies não nativas no ambiente lagunar ocorreu através de amostragens do projeto PELD e amostragens sazonais nos ambientes marginais da Lagoa dos Patos e entrevistas junto aos pescadores artesanais ao longo de todo a sua extensão.

 

Para as amostragens foi utilizada uma rede do tipo Coca (modelo trawl – 9 m de largura e 2,4 m de altura, malha de 13 mm entre nós nas asas e 5 mm no saco) operando em profundidades de até 1,5 m (Vieira et al. 2006) a fim de identificar a presença de juvenis. As amostragens foram realizadas ao longo de 1 ano e meio, sendo os pontos de coleta aleatórios, em pequenos arroios e na margem da Lagoa dos Patos.

 

O acompanhamento da presença de adultos se fez através de contato com pescadores, e obtenção dos exemplares capturados por eles. Em todos os pontos de coleta foi fornecida uma cartilha para identificação das espécies em questão, e um camburão de 30 L contendo solução de formoldeído a 10%, para acondicionamento dos exemplares. Foram 8 pontos de amostragens distribuídos nos municípios de Rio Grande, Pelotas, São Lourenço do Sul e São José do Norte. Contatos telefônicos mensais foram feitos permitindo monitorar o período de captura e a necessidade de substituição ou não dos camburões.